About

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Festas da Praia - outdoors da feira taurina





Feira Taurina das Festas da Praia 2017 - bilheteiras abertas


terça-feira, 4 de julho de 2017

Garrido (e) mais completo – 4º da Feira de S. João


Um curro de Rego Botelho encerrou a Feira de S. João 2017. Lide apeada a cargo de Román, José Garrido e Joaquin Galdós.

O primeiro exemplar da tarde (RB, nº93, 522Kg) mostrou-se distraído e brusco, acabando por se entregar no decorrer da lide, mercê do desempenho do Matador. Román esteve variado com o Capote, mostrando recursos e querer dar espectáculo. Com a Muleta lidou sempre no centro da arena, com ofício e a dar tudo para tudo tirar do oponente. Lidou maioritariamente pela direita, de forma cada vez mais templada. O seu segundo (RB, nº83, 431Kg) era nobre, com algum recorrido, vindo a rachar no final. O Matador imprimiu maior profundidade na lide. Esta resultou com bastante duração, ficando na retina a entrega do Toureiro através de bons pormenores com a Muleta.

José Garrido tirou bom partido dos exemplares que lhe couberam em sorte. O primeiro (RB, nº92, 458Kg) era muito voluntarioso, indo ao cite com nobreza e codícia. A lide mostrou a plasticidade e os pormenores artísticos que Garrido emprega. Esteve “mandão” com a Muleta e mostrou o porquê de ser apontado como uma das grandes figuras do toureio. Uma grande lide terminada com circulares invertidos junto às tábuas. O seu segundo (RB, nº73, 502Kg) também se entregava à luta, vindo a rachar no final. O Matador agarrou o oponente e toureou a gosto, recriando-se e mostrando a sua arte. Uma boa lide encerrada com Bernardinas que chegaram às bancadas. Neste toiro, Garrido desafiou os alternantes para o tércio de bandarilhas. O mesmo foi cumprido de forma desigual.

Joaquín Galdós recebeu um exemplar (RB, nº77, 516Kg) bruto e sem recorrido. Ensinou-o a investir para depois mostrar um toureio de quietude e proximidade. Mostrou algumas dificuldades em medir as distâncias, ainda assim mostrou bons pormenores numa lide de altos e baixos. O último do espectáculo (RB, nº91, 507Kg), revelou-se o exemplar com melhores condições de lide. Duração de investida e nobreza que foram aproveitadas por Galdós. Lidou com seriedade e poder. Novamente fez-se mostrar através de um toureio de proximidade e quietude, pisando terrenos de compromisso. Terminou por Luquesinas, adornando assim uma boa lide. Neste último também foram os matadores a cumprir o tércio de bandarilhas, tendo resultado novamente desigual.

Uma vez mais, os bandarilheiros açorianos estiveram num patamar superior. João Pedro Silva e Jorge Silva executaram os melhores pares da tarde. Já é normal assistir-se a um bom desempenho dos locais, o que tem (entre muitos outros) o benefício de fazer com que o público seja cada vez mais exigente com os de fora.

A corrida foi dirigida por Carlos João Ávila que se despediu do cargo após 20 anos de funções. Apenas um reparo para a dúvida em relação ao critério utilizado para atribuição de música durante as lides. Foi assessorado por José Paulo Lima.

Abrilhantou a Banda da Sociedade Filarmónica rainha Santa Isabel da Doze Ribeiras. Abrilhantou e bem! Se na corrida anterior a música tinha estado em excesso, aqui as interpretações foram executadas na medida certa, com o volume certo, a complementar as lides!

Antes do início do espectáculo, foi homenageado o Matador californiano e luso-descendente Dennis Borba pelos seus 30 anos de Alternativa. Durante o intervalo, foi homenageado Carlos João Ávila pelos seus 20 anos de Director de Corridas e por todo o precioso contributo que tem dado à Festa Brava nos Açores.


Bruno Bettencourt
Foto: António Valinho

domingo, 2 de julho de 2017

Triunfaram os clássicos na Corrida de Gala – 3ª Corrida da Feira de S. João

Doze anos depois, o Neto deu início às Cortesias na Monumental “Ilha Terceira”. A Corrida de Gala Antiga Portuguesa teve assim o seu início com o ritual alusivo à época.

Toiros de João Gaspar e Francisco Sousa. De tricórnio Tiago Pamplona, Manuel Telles Bastos e Miguel Moura. De jaqueta enramada, os Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense (GFATTT) e os Amadores do Ramo Grande (GFARG).

Não interessa como se começa, mas como se acaba! Este bem podia ser o resumo da noite de Tiago Pamplona. Após a recolha do toiro (FS, nº15, 410Kg) que se inutilizou, depois da cravagem de dois compridos, recebeu o segundo do seu lote com uma lide em crescendo. O toiro (JG, nº27, 515Kg) era volumoso e entregou-se com codícia, tendo tido duração. O Marialva do Posto Santo procurou o triunfo e mostrou boa ligação com o público. Esteve criterioso na escolha de terrenos e mostrou os seus dotes de excelente equitador. Encerrou uma lide triunfal com um excelente ferro curto ao estribo, antecedido por uma viagem plena de temple. Nota para o facto de ter saído da arena no momento certo sem se deixar deslumbrar pelo pedido de “mais um”!

Manuel Telles Bastos lidou um exemplar (FS, nº11, 436Kg) cumpridor que se foi defendendo em alguns momentos, mas sem complicar. Uma lide de entrega e saber, a trazer ao de cima as qualidades do toiro e a romper para o triunfo. Mostrou bonitos pormenores do classicismo que o caracteriza, aliando a sua maestria de equitador à intuição de lidador. O toiro (JG, nº28, 433Kg), com que encerrou a sua participação na Feira, saiu com pata e revelou-se muito andarilho, tendo dificuldade em fixar-se. Há a destacar a cravagem correctíssima dos compridos e a precisão milimétrica com que cravou cada uma das farpas, durante toda a lide. Mostrou-se entendedor do oponente e optou por uma lide de proximidade, pisando os terrenos do toiro e lidando ao melhor estilo português.

A Miguel Moura calhou o lote menos luzido, mas que ainda assim cumpriu sem complicar muito. O primeiro toiro (JG, nº18, 433Kg) era voluntarioso, mas viria a rachar no final. Moura foi desenrolando a lide com bons pormenores. Uma lide à maneira da escola mourista a chegar bem ao público. Pecou por ter prolongado a lide em demasia. O último toiro (FS, nº7, 494Kg) era distraído e parava-se na reunião, saindo desligado das sortes. Fica a sensação que o Cavaleiro o podia ter alegrado mais. A lide resultou sem som e própria para hipertensos. Algum luzimento no final, mas sem grande transmissão à assistência.

Nas pegas destacaram-se Daniel Brasil do GFARG e Francisco Matos do GFATTT. Ambos realizaram rijas pegas, à primeira, a aguentar bem e a mostrar querer ficar na cara do toiro! Pegaram ainda Luís Sousa (GFATTT) à segunda e a sesgo, Rui Dinis (GFARG) que com uma boa pega se fechou à segunda tentativa e João Pedro Ávila (GFATTT) à segunda com uma boa ajuda do grupo.

A corrida foi dirigida com diligência por Rogério Silva, sendo assessorado por Vielmino Ventura.
Abrilhantou a Banda Filarmónica Divino Espírito Santo de Artesia. Um reparo para o facto de ter havido alguma falta de moderação no volume da interpretação musical. Não está em causa a qualidade da banda, que é de facto muito boa, mas numa praça de toiros a banda deve complementar e não se sobrepor a todo o resto.


Bruno Bettencourt
Foto: André Pimentel

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Amadores do Ramo Grande - despedida do Cabo Filipe Pires

O Cabo do Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande, Filipe Pires, irá despedir-se no dia em que o grupo comemora 10 anos de existência, 7 de Agosto de 2017. 

O mesmo emitiu o seguinte comunicado: 

"Chegou a Hora…

Ao longo de dez anos comandei com enorme prazer e orgulho um fabuloso grupo de homens. Ano após ano, crescendo e atingindo diferentes objetivos por nós traçados, por vezes mesmo, até alguns sonhos por nós idealizados. Passei os melhores momentos da minha vida…
Nunca é fácil “dizer adeus”, mas julgo que é o momento oportuno. Foi uma decisão consciente e com a segurança de deixar um sucessor à altura, por isso em conjunto com os meus amigos, decidi que a 7 de agosto de 2017 passo a chefia do grupo ao Manuel Pires. Forcado no qual confio tamanha responsabilidade. No entanto, estarei sempre com o grupo e prestando-lhe todo o apoio necessário.
Agradeço a todos que me ajudaram ao longo destes dez anos de aventura que foram fantásticos…
Vou disfrutar das corridas que ainda restam e tenho grande expectativa e esperança num futuro risonho para o GFRG.

Obrigado sempre GFARG 
 O Cabo Filipe Pires"

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Festival de Capinhas - Hoje às 18h30!


Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More